Dicas, Edição

6 mitos sobre Lightroom que você precisa saber

Sem dúvidas o programa mais eficiente para pós-produção, o Lightroom caiu nas graças dos fotógrafos. Apesar de simples e intuitivo, esse programa traz muitos recursos para ajudar a melhorar nosso trabalho. Entre mitos e certezas, reunimos as principais dúvidas de quem pretende usar o software para tornar suas fotos mais profissionais. 

sol-se-foi-8898Preciso de um Super computador para rodar o programa?

Para processar arquivos da melhor maneira possível, você vai precisar de um processador Dual Core com 4GB de Ram. Não é muito, certo? O Lightroom usa arquivos de pré-visualização sempre que possível – isso facilita a renderização para melhorar a performance do computador.

Lightroom é apenas a mistura do Bridge com o Photoshop?

Terrível engano. O Lightroom foi desenvolvido para suprir todas as necessidades dos fotógrafos contemporâneos. Muito diferente do Bridge e Photoshop, o foco do programa é otimizar processos para tornar o gerenciamento de arquivos mais eficiente e a edição de imagens simples e intuitiva.

Além disso, ajustes de imagem ou metadata feitas pelo Lightroom são interpretados por esses programas – exatamente como o Lightroom interpreta alterações feitas por eles.

Tudo bem se eu fotografar em JPEG?

Sem sombra de dúvidas não é um problema para o Lightroom processar imagens em JPEG. Mas é um desperdício de todo o esforço dos engenheiros da equipe do Mark Hamburg que desenvolveram o software para aproveitar as vastas informações disponíveis em arquivos Raw.

Lamour-0283Então só posso fotografar em Raw?

Apesar de ser extremamente recomendável fotografar em Raw, seu workflow pode exigir arquivos em outros formatos. Por exemplo, o fotojornalismo diário acaba exigindo formatos mais leves enquanto a fotografia mobile trabalha melhor com PNG.

O Lightroom lê JPEG, TIFF, PSD, DNG e na versão 5 até PNG. Ou seja, todos esses formatos funcionam perfeitamente bem no LR. A diferença é que Raw guarda mais informações – o que permite explorar mais a edição e fazer fotos mais impressionantes! Experimente.

As fotos ficam dentro do Lightroom?

Na verdade, as fotos ficam dentro de uma pasta no seu HD e o Lightroom apenas cria um link de referência do arquivo – o nome disso é indexação. Você pode manter seu catálogo na pasta “/Imagens” do seu computador e armazenar as fotos em um HD externo para poupar memória e facilitar sua organização.

Mas nunca delete as fotos que importou para o LR. Afinal de contas, elas não estão fisicamente dentro do programa e sim na pasta onde você escolheu.

Essa grande vantagem permite ao Lightroom criar edições não destrutivas. O que nos leva a próxima dica…

O Lightroom edita como o Photoshop?

A edição não destrutiva é a grande sacada do Lightroom – e a diferença crucial entre o processo de edição no Photoshop. Qualquer alteração no LR mantém intacto o arquivo original.

A cada alteração de imagem, o Photoshop destrói um pouquinho os pixels – imagine os efeitos ao longo do tempo. No LR, você alterar o arquivo diversas vezes sem precisar criar novas cópias – economizando muito espaço e tempo. A edição não destrutiva permite retroceder ao estado inicial da foto que mesmo ao alterar totalmente a imagem diversas vezes (não é demais?).

[shareaholic app=”share_buttons” id=”16113767″]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *